Cidade Ademar
Deixe um comentário

População realiza ato em prol do CEU Cidade Ademar

Dezenas de movimentos sociais, artistas regionais, veículos de comunicação da região, políticos e população, realizaram um ato para a construção do CEU Cidade Ademar na Vila Joaniza.

No último sábado, dia 14 de maio, o Movimento pelo CEU Cidade Ademar – coletivo que reúne dezenas de organizações sociais – junto com a população realizaram um ato em apoio à construção do CEU Cidade Ademar. O evento aconteceu na Praça da Vila Joaniza e reuniu ainda alguns artistas locais e ainda várias lideranças comunitárias e também algumas autoridades e representantes políticos que compareceram em apoio ao futuro Centro Educacionais Unificados (CEU) no terreno do Clube da Caixa localizado no bairro.

Movimentos populares se reuniram no local

A reinvindicação principal é a aceleração da possível desapropriação de parte do terreno pertencente à Associação de Pessoal da Caixa Econômica Federal, popularmente conhecido como Clube da Caixa, como pagamento de dívidas de IPTU. Por outro lado, o clube luta na justiça pela isenção destes impostos, já que a Prefeitura concedeu isenções de IPTU a clubes como São Paulo, Palmeiras, Corinthians, entre outros.

Os movimentos populares pedem que o Poder Judiciário julgue o mais rápido possível este processo, já que a Prefeitura já emitiu a ordem de desapropriação de parte do terreno e o equipamento já foi incluído no Programa Metas da Prefeitura de São Paulo 2021/2024 (meta 25).

De acordo com uma das organizadoras do ato, a educadora social e coordenadora do Movimento de Moradia da Vila Missionária e Cidade Ademar, Clair Helena dos Santos, a região da Cidade Ademar tem o mesmo número de habitantes que o município de Diadema e uma área territorial ainda menor e possui uma rede de educação deficitária e carente de espaços de lazer, cultura e não possui ainda um polo cultural, teatro ou cinema. “O CEU poderia ser um inicio deste desenvolvimento na região e cumpria parte deste papel. Temos que ter acesso ao lazer e a cultura. O clube deve ter consciência e se aproximar da comunidade, pois pela proposta, o CEU ocuparia apenas 20% do seu espaço, não tiraríamos nada dos associados deste”, relatou.

Parceria com a comunidade – Para o professor e diretor da EMEI Cruz e Souza Marcos Manoel dos Santos, há uma morosidade no processo para a desapropriação do imóvel.  “É uma morosidade, embora seja uma demanda legitima é ao mesmo tempo uma atitude mesquinha do clube, pois requer na Justiça seus direitos fazendo ‘barganha’ com a prefeitura ao requerer os mesmos direitos dos clubes como Corinthians, Palmeiras, entre outros. Deveria ter uma pré-disposição de negociar com a prefeitura e com a comunidade, pois isto já rola desde 2015”, comentou.

Santos diz ainda que o clube está na comunidade e deveria ter esta aproximação com a população local. “O clube não deve lutar pelos seus direitos como moeda de troca, não parece correto. A construção do CEU dentro do seu espaço seria uma forma de permitir que a população frequente o espaço e conheça também as dependências do clube, e assim, poderia fazer parcerias com a prefeitura como faz o SESC, só assim, o clube estaria integrado junto à comunidade, traria melhoria, tanto para o clube que se tornaria popular e conhecido, como também para a comunidade. Isto seria bom pra todo mundo”, sugeriu.

 Para um dos associados do Clube da Caixa, que apoia a construção do CEU nas dependências do clube em que ele é sócio, a administração não quer aceitar a negociação de 20% do imóvel. “O clube luta por um espaço por entender que é dele. Sou um sócio externo, não sou funcionário da Caixa Econômica, mas hoje a diretoria está mais flexível para aceitar novos associados. Acredito que qualquer melhoria para a população é bem vinda”, comentou.

Para Mauro Castro, um dos líderes comunitários presentes ao local, a região da Cidade Ademar é completamente carente de lazer e cultura. “Hoje a Casa de Cultura da Cidade Ademar é um movimento itinerante, pois não tem um espaço físico ainda. A participação popular é determinante para que conquiste este direito. A manifestação envolvendo dezenas de movimentos sociais e entidades da região é para que o Poder Público cumpra com esta determinação para a construção deste equipamento o mais rápido possível”, disse.

Necessidade do espaço – Algumas autoridades estavam presentes ao local, entre elas, o deputado estadual Enio Tatto, que afirmou a importância da manifestação em prol do CEU Cidade Ademar e, em entrevista ao Bairro Cidade Ademar durante o evento, o deputado relembrou da concepção destas escolas pelo ex-prefeito Celso Daniel em Santo André e depois idealizada pela ex-prefeita de São Paulo Marta Suplicy. “Esta luta é legitima. A região da Cidade Ademar e a Vila Joaniza, só não ganharam um CEU por falta de espaço. É um equipamento que começou na gestão do PT da Marta Suplicy. Aqui só tem um espaço que é o terreno da Associação do Clube da Caixa, a prefeitura já fez a desapropriação do imóvel e o clube deve aceitar, pois todo mundo defende o CEU. Mas tem que conceder, ou vender parte daquele espaço”.

O Bairro Cidade Ademar questionou o deputado Ênio Tatto referente às isenções de impostos (IPTU) aprovadas pelo Poder Legislativo, tanto na Câmara dos Vereadores, como na Assembleia Legislativa, que é a razão do Clube da Caixa estar na Justiça querendo esta isonomia, entretanto, o deputado defende a isenção, mas requer a contrapartida destas entidades. “São duas coisas, o espaço do clube da Caixa é único. Os associados têm outros locais que podem frequentar. Este acordo do Clube da Caixa com a prefeitura é necessário para a comunidade”, afirmou.

Entretanto, o deputado é favorável às isenções do  IPTU dos clubes grandes. “Sou favorável às isenções, mas deve haver a contrapartida para a população. Os clubes deveriam assumir escolas, creches, entre outras entidades. Nós da bancada do PT lutamos para que ocorra uma contrapartida. A grande discussão é esta, pois não vamos tirar os terrenos do Palmeiras, Corinthians, São Paulo, mas entendemos que estas entidades devem dar outras propostas para a comunidade. Nós estamos lutando, todos os clubes tem isenções de IPTU, pois eles receberam o terreno gratuito da prefeitura há mais de 50 anos e devem ter uma contrapartida e devem dar este retorno à população, pois eles têm lucro e não retornam nada”, finalizou o deputado.

Veja as imagens do evento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s